23 de fev de 2014

Não Curto o Carnaval


Faço coro com o Rev. Hernandes Dias Lopes; eu também não curto carnaval pelos mesmos porquês que ele afirma no texto abaixo.

"Eu não curto! Não curto porque é a festa das máscaras, e devemos viver na luz. Não curto porque é a festa do nudismo e devemos viver com decência. Não curto porque é a festa da bebedeira e devemos viver com sobriedade. Não curto porque é uma festa carnal e devemos viver no Espírito. Não curto porque o propósito dessa festa é agradar à carne e as obras da carne conduzem à condenação. Não curto porque é a festa que termina em cinzas, enquanto a festa de Deus, tem plenitude de vida agora e para sempre!"


Hernandes Dias Lopes



Leia mais: Reflexões


Um comentário:

  1. Se eu digo para um jovem: “Não curto porque o propósito dessa festa é agradar à carne e as obras da carne conduzem à condenação.”

    Acho essa resposta teologicamente fraca e pode causar um estrago.

    1. Essa resposta fecha todas as portas de diálogo com o mundo nos impedindo de poder falar da verdadeira festa que todo coração almeja que é a das bodas do Cordeiro.

    2. Essa resposta não considera o que há de valor no coração das pessoas que culturalmente se dedicam e acreditam na filosofia do carnaval, afinal nem todas as pessoas bebem e se embriagam, muitas acreditam e trabalham em seus blocos e isso lhes traz sentido e ainda que seja um sentido fútil, deve ser respeitado.

    3. Essa resposta cria uma dicotomia principalmente na mente do jovem. Como se "agradar a carne" em si fosse algo pecaminoso e contrário ao Espírito. Se assim for teríamos que viver em monastérios, isolados do mundo, sem diversão, nem pizza, churrasco e sem coca cola.

    4. E por ultimo e o mais importante, na bíblia, as “obras da carne” são exatamente aquelas que brotam de dentro do nosso coração quando tentamos viver sob a lei, isto é, as obras da carne são estimuladas, provocadas, postas em realce, quando tentamos “viver sob a lei”, isto é, quando tentamos nos justificar, nos sentir mais justos, ou achar que somos mais justos com base naquilo que fazemos, em nossos esforços e sacrifícios pra Deus e não no sacrifício de Cristo.

    Quando nossos sacrifícios deixam de ser uma resposta de gratidão e amor a Deus e passam a ser uma tentativa de “fazer a nossa parte” pra que Deus faça a Dele, quando viram moeda de troca de barganha com Deus para termos suas bençãos, quando nossos sacrifícios servem de troféus e pontuações, ranking de santidade, ou uma escadinha que nos leva pro céu... quando as coisas boas que fazemos servem para “compensar” as más, quando nos escondemos atrás de sacrifícios em vez de nos expor para a luz de Cristo pra que ele trate nosso vicios, fraquezas, taras e todas as nossas deficiências, quando fazemos um esforço a mais, oramos mais e jejuamos mais do que devia, e isso nos dá a sensação de que fizemos um “extra” e que podemos até “relaxar um pouquinho depois” e que na verdade nos faz achar que até merecemos mais favores de Deus... quando fazemos sacrificios e nos sentimos melhores, mais santos e mais consagrados do que os nossos irmãos, quando, baseados me nossos sacrifícios nos achamos mais ou menos dignos, mais ou menos amados por Deus, quando fazemos sacrifícios para merecer o céu, ou medo do inferno.. etc. Tudo isso, segundo a bíblia é “viver pela lei”, é não confiar na graça, é tentar resconstruir o que cristo destruiu (Gl 2:8).

    Prostituição, lascívia, avareza, essas coisas não estão no carnaval, mas dentro do nosso coração. É lógico que isso não torna um ambiente carnavalesco um lugar neutro. Sabemos que há sensualidade, bebedices, palavras torpes, e muita devassidão moral concentrada...Definitivamente um ambiente de carnaval não convém a santos. Indiscutivelmente um cristão cheio do Espirito não se sentiria bem e não curtiria nada...não é coerente com a fé que professo. Todavia, não brincar carnaval não me livra das obras da carne, marcha pra jesus não resolve, retiro cristão é excelente mas não é um salvo conduto pro meu coração corrompido, pelo contrario, essas coisas pode me causar a ilusão de que estou longe do pecado e me fazer baixar a guarda e é aí que descobrimos na prática o que são as obras da carne.

    Deus nos abençoe.

    ResponderExcluir