9 de jun de 2013

"...ou lhe Mata de Vergonha ou Vicia o Cidadão."


Para o sertão nordestino, duas coisas são necessárias: "Pão e água" para o cidadão que tem fome e sede (entenda "pão e água" como necessidades básicas que não podem ser proteladas) e ações que promovam a independência deste cidadão.



Por exemplo, na semana passada cavamos um poço(confira as imagens)no assentamento Campo do Uruçu, em Iati – PE. Com a água deste poço, animais não morrerão mais de sede ou quebrar a produção de forma tão drástica na época da estiagem; ao invés de tirar dinheiro da feira para comprar água, o pequeno pecuarista/agricultor vai tirar da agricultura de subsistência um reforço na sua dispensa e, consequentemente, recompor seu orçamento.


Outra opção são as ações educativas, pois estas verdadeiramente promovem inclusão social.


O Governo se faz de doido ou de bom moço, curtindo uma de bom samaritano, distribuindo dinheiro; diz que está promovendo inclusão, quando na verdade este é o caminho mais curto que ele escolheu para, sorrateiramente, perpetuar-se no poder. Uma forma legal para comprar voto. Apesar do caos, veja os índices de popularidade de Dilma!

Se por um lado os programas sociais paternalistas trazem benefício. Não vimos ninguém morrendo de fome nesta seca violenta que nos abateu. Por outro, como bem cantou Luiz Gonzaga: “...uma esmola, para o homem que é são, ou lhe mata de vergonha, ou vicia o cidadão.”

Neste contexto social sertanejo, a nós cristãos, resta vivermos o Evangelho que aponte o caminho para o céu, que denuncie o pecado, que chame o pecador ao arrependimento, que convide ao novo nascimento, que apresente Jesus não só com palavras, mas com ações pertinentes ao discurso imbatível, a Palavra de Deus.

Que a partir da nossa vida, façamos discípulos Dele, comprometidos com Seu Reino, recriados para as boas obras, que ensinem: “venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt. 6.10), inclusive no sertão nordestino.


Em Cristo, 

Marcos Sal da Terra



Leia mais: Reflexões







Um comentário:

  1. mariajmacedo@yahoo.com.br9 de junho de 2013 13:52

    Cremos que para Deus não há impossível!
    Que tudo pode mudar!
    Sabe-se que o fenômeno da seca é muito remoto, que o governo atual que criticava as políticas assistenciais de outros governos; consegui fazer crescer a "cegueira" entre o números dos assistidos!
    Lembrando o que cantou João Alexandre ATE QUE
    se acenda a Luz divina nos palácios de Brasília...!!!

    ResponderExcluir