5 de mai de 2013

Desafios da Contextualização no Sertão Nordestino


Quando se fala em contextualização no sertão nordestino, em especial ao que se refere à evangelização e culto, o que primeiro pode vir a nossa mente é o uso de elementos da nossa cultura como ferramenta de comunicação. E sendo o nordeste uma região de uma riqueza e diversidade cultural como poucas no mundo, temos aí “muito pano para as mangas”! De fato, se tratando de elementos culturais, Deus foi especialmente generoso com o nordeste brasileiro.

Você seria capaz de relacionar os ritmos pernambucanos? Difícil contar sem ter que usar os dedos das mãos, não é mesmo? Então, se levarmos em consideração que somos nove estados, que cada estado tem suas muitas peculiaridades culturais e que cultura não é só música, torna-se impossível enumerar os costumes, os folguedos, a culinária e tudo o mais que é componente da cultura nordestina; teríamos que fazer um extenso trabalho de pesquisa.


Cultura X Pecado

Antes de tudo, porém, é preciso que entendamos que o Evangelho veio para separar o homem do pecado e não da sua cultura (exceto naquilo que ofenda a santidade). Caso contrário o Jesus-Homem, durante seus dias entre nós, teria uma “figura celeste”, iguais as que nós vemos representadas nas peças teatrais em nossas igrejas (já reparou que nestes episódios Ele sempre é representado como aquele que se veste todo de branco e com um manto escarlate?).

Mas, historicamente, Jesus era um personagem que diferia dos seus conterrâneos? Será que sua comida era diferente, sua bebida, suas roupas, as músicas que ele cantava, as festas que frequentava eram diferente daquilas habituais da sua época, do seu contexto? Claro que não! A tarefa de Judas entregar Jesus teria sido mais fácil caso não fosse necessário um beijo para diferenciá-lo.

Jesus vivia absolutamente inserido em seu contexto cultural, e talvez por isso, hoje Ele não fosse bem aceito no meio de algumas comunidades cristãs.

Da mesma forma, e certamente por um motivo mais óbvio, o contexto cultural sertanejo seja, de certo modo, rejeitado na evangelização e nos cultos e tido como pecado por diversas vezes.
Ainda há no meio evangélico quem confunda cultura com pecado. Existem aqueles que vestem Jesus de branco e com uma manta escarlate e tentam fazer da fé em Cristo sua cultura, vivendo a utopia de um “ambiente sacro”, desprovido de influências culturais (como se pudesse), ignorando que assim como não somos isentos ao pecado, o homem enquanto ser social não pode estar alienado da sua cultura.


O Desafio

Quando começou esta rejeição a contextualização no sertão nordestino? Porque tratá-la como “desafio”, como sugere o tema deste capítulo?

A história nos mostra que os nossos missionários pioneiros vieram trazendo na bagagem a Bíblia e sua cultura. A Bíblia eles pregaram com zelo e abnegação, a cultura impuseram com rigor. De forma que assimilamos com sacro aquilo que era da cultura deles (americanos e ingleses), enquanto que repudiamos e endemonizamos o que era nosso.
Sem contar que nós viemos de uma tradição religiosa que também não estava aberta a contextualização, posto que o Brasil, em sua maioria é de origem Católica Apostólica Romana, tem a mesma história de resistência a nossa cultura. Que, por isso, por exemplo, adotou por um bom tempo como língua para as suas liturgias - o sacro latim. Talvez porque o nosso português fosse vulgar demais para que Deus viesse a se comunicar através dele! Some a estes fatores, o preconceito que os sertanejos sofrem. Tudo o que é do nordeste, geralmente, é tido por muitos como pobre e vulgar. - Ridículo!! Diriam alguns.

Os missionários pioneiros já foram há bastante tempo, as missas católicas já não são mais em latim e a cultura sertaneja já não é mais alvo de tanta discriminação (criaram até o “forró universitário” – chique, não?).
Mas, por incrível que pareça, em nossa caminhada com a Banda Sal da Terra, ainda encontramos quem repudie nossos instrumentos musicais. Zabumba então, tadinha, tem gente que jura que ela é do capeta! Neste sentido contextualização ainda é um desafio, e temos consciência que em alguns ambientes litúrgicos não somos bem vindos por conta do nosso jeito nordestino de ser.


A Dúvida

Contextualização não é só um desafio, pode ser também uma dúvida. Por um bom tempo nós, que fazemos o Sal da Terra e que sempre lançamos mão da contextualização como ferramenta de comunicação, tivemos dúvida. Às vezes pessoas que sempre tivemos como referência nos alertavam:
- Cuidado! Não é bem por aí; ou, mais objetivamente, isso não é de Deus!.

Se por um lado a gente via Deus agir e colhia os frutos do Evangelho pregado com auxílio da contextualização, por outro tínhamos dúvida. Havia uma força, um tradicionalismo arraigado naquilo que não era nosso, fundamentado numa cultura que era estranha para nós, mas aceito como correto por tanta gente boa (inclusive por líderes que sempre respeitamos).

Com a maturidade, com a reflexão bíblica e com os frutos, finalmente veio a confirmação:


Papa-Capim (2002)


Quando a Cristo abracei
Dei de mão para o pecado
Vida velha eu deixei
Por Jesus fui transformado.
Só não deixei minha terra (pé de serra)
Minha “caqueira de fulô”
Meu carro de boi, arado
Eu num deixei não “sinhô”
Refrão

Num “arrepare” se eu louvo
De um modo diferente
Se além de nordestino
Em Nosso “Sinhô” sou crente
Quando Cristo me salvou
Me libertou da iniquidade
Mas, minha cantoria minha terra
Não é imoralidade


Meu chapéu de couro eu acho elegante
A perneira, o gibão
Já o paletó eu acho apertado
Não me sinto bem nele não
E eu não quero arremedar
O sotaque americano
Eu nasci foi no Nordeste
Sou cristão pernambucano

Refrão

Hoje eu sou missionário – pregador
Do Evangelho de Jesus
Sigo ao meu povo mostrando
O Caminho, o Amor e a Luz
Sempre ao lado meu Mestre
Vou cantando o meu baião
Bendizendo o seu santo nome
Com amor e devoção.

Refrão



Um Novo Contexto – a Globalização.


Depois da dúvida, veio a apropriação sem remorsos da contextualização sertaneja, usando toda sua riqueza com mais liberdade. Aproveitamos a familiaridade cultural com nossos interlocutores (sertanejos). Continuamos anunciando a Jesus, tornando-O conhecido em tantos lugares.
Até que em uma destas atividades evangelísticas, nós vínhamos com a nossa equipe pelas ruas de uma cidade sertaneja cantando Coração Nordestino (1997) e no trecho que diz: "...do menino que brinca de baleadeira..." Quando olhei de lado, dentro de uma lan house, muitos meninos e meninas brincavam na internet. Foi quando atentamos, definitivamente, que o contexto cultural nordestino havia mudado. Esta música composta há 19 anos pelo missionário Bartolomeu Nascimento, naquele trecho, havia perdido o sentido; estava praticamente fora de contexto, pois raramente vemos menino brincando de baleadeira (hoje, inclusive, balear passarinho é crime ambiental, inafiançável!).

Outra música, esta de nossa autoria, De Sandália ou de Alpercata (1996), diz em um dos seus trechos “De sandália ou de alpercata... de jumento ou bicicleta, ou em cima de um caminhão...” Ora, hoje, jumento praticamente deixou de ser transporte de sertanejo. O que se usa atualmente? Moto 125 cilindradas.

Quando iniciamos o Sal da Terra há 17 anos atrás, o nosso contexto era exatamente este, cultura nordestina era cultura nordestina e ponto. Hoje, tão pouco tempo depois, vivemos uma mudança radical da nossa cultura.

Há 13 anos atrás fomos participar de um culto na Congregação Presbiteriana do Sítio Inhumas (São João – PE). Naquele culto, ficamos impressionados com os irmãos vindo à igreja com a Bíblia em uma mão e uma lanterna na outra, enquanto alguns outros chegavam à cavalo. No mês passado voltamos lá e a quantidade de motos no estacionamento da Igreja nos deixou admirados. O culto contou com telão e multimídia, repleto de músicas dos "artistas evangélicos da globo" e tinha gente acompanhando a leitura bíblica através de smartphone e tablet!

Indubitavelmente, com o advento da antena parabólica e da internet, com a abertura de mercado, o nosso contexto cultural sofreu profundas mudanças. Mesmo sem perdermos o gosto por nossas tradições, por nossa cultura de raiz, temos hoje como fato corrente a assimilação de outras culturas.

É inegável que vivemos um novo momento, um novo contexto, que estamos vivendo sob o manto da globalização e deste ponto de vista, podemos dividir a contextualização do sertão nordestino, em especial no que se refere a igreja, em três fases distintas:


1 – Exclusivismo: Onde o contexto cultural foi quase que estritamente importado.

2 – Polaridade: Nesta fase houve atrito entre o que foi trazido pelos missionários e aquilo que é nosso.

3 – Efeitos da globalização: Trouxe um “mix” das tendências mundiais. É isso que temos vivido hoje.


Um Novo Desafio

Contextualização no sertão nordestino se tornou muito mais ampla, posto que vivemos numa cultura globalizada; portanto, bem mais ampla, mas que continua sendo uma excelente ferramenta na evangelização e como elemento de uso no culto a Deus.

Resta tão somente, ter sabedoria e equilíbrio na utilização deste novo contexto cultural que está em evidência, empregando-o de maneira salutar e apropriar-se daquilo que é proveitoso e prático para as nossas Igrejas.
Que O SENHOR nos ajude nisso! 

Em Cristo,

Marcos Sal da Terra



Leia mais: Reflexões




 

4 comentários:

  1. Eu mesmo, gosto demais dessa música e acho muitíssima apropriada e contextualizada. Não só aplica cultura nordestina à música como desafia os "de fora" que façam o mesmo!
    Parabéns Marcos...
    Deus te abençoe.
    Ricardo Santana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ricardo!
      Obrigado por suas considerações. Aliás, seu apoio tem sido muito importante para o sal da terra.
      Abçs

      Excluir
  2. Graça e Paz amado, eu concordo plenamente com tudo o que o senhor escreveu e louvo a Deus pela sua vida e seu amor pelo povo nordestino, pois tenho observado e participado junto com o Sal que é uma benção com suas músicas e aprendi muito com o Sal a também à amar este povo, o meu povo, o nosso povo. Não tem sido fácil o desafio, mas é glorioso e os frutos estaremos colhendo em breve. Que Deus nos ajude, um abraço meu querido irmão.

    ResponderExcluir
  3. Cezar, paz! Você e a sua disponibilidade para a obra missionária no sertão nordestino, tem sido inspiração para nós.
    obg por sua presença nas ações do sal da terra.

    ResponderExcluir