10 de jul de 2012

Louvor e a Igreja

Nesta foto vemos Djalma (violão), voluntário do "Projeto Papa-capim" em Iatecá, pequeno povoado sertanejo, localizado no Município de Saloá - PE. Ele não está apenas "ministrando louvor"; mais do que isso, ele está partilhando o pouco conhece sobre música, com a igreja local e com aqueles que têm se aproximado do Evangelho.
 

Outro aspecto interessante é que os irmãos de Iatecá têm usado os instrumentos que lhes são familiares. A sanfona desta imagem já tocou em muitos forrós, onde as pessoas se embriagavam, se entregavam ao pecado. Hoje, entretanto, com a conversão do seu dono, ela tem outra aplicação: toca para glória de Deus!

Este é um modelo diferente do que temos visto em nossas igrejas, onde geralmente quem toca é quem tem recursos para aprender e comprar um instrumento e onde o louvor fica a cargo de "um grupo de louvor", enquanto que, à congregação, compete apenas acompanhar os cânticos "ministrados" pelo grupo de louvor e, também, sustentar financeiramente o mercado "gospel" que impera, cria ídolos e dita regras. Uma prática que elitiza algo que deveria ser comum à todos e que deveria ter um único objetivo comum, glorificar ao Senhor com cânticos. 


Temos então, distintamente, dois modelos:


  1. O "gospel", que é dominado pelos grupos, que ditam moda, que anulam a cultura enquanto somam cifras milionárias com a venda de CD's e shows.
  2. O louvor que emana da congregação para Deus, sem intermediários e sem sotaques estrangeiros. Sem interesse financeiros ou de status social.
Fica aqui uma pergunta, que por certo podemos responder sem pestanejar, mas que, paradoxalmente, relutamos em aplicar:

Qual o modelo biblicamente mais adequado?


Que o SENHOR nos ajude!

Em Cristo, 
Marcos Sal da Terra.

Leia mais: Reflexões


Nenhum comentário:

Postar um comentário