21 de set de 2009

Um Coração Generoso



Alto de Negras é um um povoado, situado no sertão de Alagoas, no município de Canapi, e a exemplo de tantas outras localidades sertanejas, apresenta índices sociais extremamente desfavoráveis. Lá, 81% da população é analfabeta, só 16% das residências têm sanitário, o lixo é jogado à ceu aberto, várias residências são de taipa, não tem revestimento no piso e toda comunidade não utiliza água tratada.


Aliás, este é o retrato do sertão... esquecido de tudo e de quase todos, este povo hospitaleiro, generoso e tão cantado pelos poetas, vive, praticamente, entregue a própria sorte. Pessoas que, infelizmente, se encaixam perfeitamente no perfil de excluídos socias.
Porém, se não bastasse a exclusão social reinante no lugar e que tem abatido aquela gente, as religiões, em seus vários credos, não têm dado importância significativa ao lugar, já que até pouco tempo, o apoio espiritual da comunidade vinha, tão somente de uma benzedeira, moradora do local, que no vácuo do desprezo e indiferença que lhes são comuns, era a única referência religiosa presente que se conhecia.


Diante destes fatos a Igreja Batista de Itaíba, juntamente com sua pequena congregação em Negras - ambas situadas no vizinho sertão pernambucano - uniram-se num ousado esforço missionário e mesmo com muitas limitações, pois são comunidades com um pequeno rebanho e com grandes limitações financeiras, partiram para ações práticas de resgate espiritual e social. Com atitudes, que para o homem da cidade grande são simples, quase imperceptíveis, mas para aquele que é tão desprovido de amparo, tem tomado dimensões extraordinárias. 
Por exemplo, talvez você não dê a mínima importância a iluminação pública que tem na frente da sua casa, afinal ela sempre esteve ali, mas este simples fato, proporcionado pelos irmãos de Itaíba e Negras, em apenas um poste, foi motivo para que muitos ficassem em frente de casa até altas horas... As crianças brincando enquanto os adultos proseavam animadamente.



E o que dizer de ganhar um basculante para quem tinha apenas uma pilha de tijolos fechando a janela; roupa para quem quase não tem nenhuma; comida para quem está apertado; uma casa para quem estava vendo a sua prestes a cair...



Dona Zuleide, que foi beneficiada com a substituição da sua antiga casa de taipa por uma de alvenaria, questionou:
- Eu fiquei pensando, como Deus foi bom comigo em ter me dado esta casa, mas eu sei que por aqui tem gente ainda “mais precisada” do que eu...



Ainda há muito que ser feito no Alto de Negras, há muito que ser feito no sertão nordestino, pois como disse Dona Zuleide: “existe gente “mais precisada” do que eu e do que você que agora lê este breve relato. É necessário então, que nos mobilizemos em favor da obra missionária. Isso mesmo, é preciso que sigamos o exemplo dos irmão de Itaíba e Negras
Que Deus nos dê um coração generoso e preocupado com o próximo, um coração como o de Dona Zuleide.
Marcos Sal da Terra
 
  

Um comentário:

  1. Olhando para este povo lembrei-me daquele o qual falou mateus ''o povo que estava sentado em trevas viu uma grande luz; aos que estavam sentados na região da sombra da morte, a estes a luz raiou.''
    povo sofrido e de dores, podemos constatar isso em seus aspectos fisicos: rugas, pouco peso, cabelos secos maltratados pelo sol,crianças de pés descalços, roupas simples, pessoas humildes......., mas nem por isso deixam de sorrir, de prosear; já ouvi certa vez de que Deus gostava das pessoas humildes, pois ele tinha feito tantas..., E esta é a realidade de Negras, não muito diferente de outros lugares onde o poder público não chega, será que estão esquecidos ou será porque não dá ''voto'' suficiente, o importante é que eles não estão e nem foram esquecidos por Deus, tendo a certeza que Deus irá abençoar muito mais aquele povoado tão distante, tão pobre e tão abençoado: Alto de Negras!

    ResponderExcluir