12 de jan de 2009

Olhai os Lírios dos Campos

Recentemente, estivemos visitando o sertão pernambucano. Fomos a uma região chamada Vale do Catimbau, município de Buíque. Caminhando por uma vereda, encontramos o lírio da foto acima. Que coisa impressionante! No meio de plantas típicas da caatinga, sob um solo raso, de pouca terra, praticamente a poucos centímetros de uma rocha. Lá estava ele! Delicado, sedoso, cheio de vigor e beleza. 

Ignorando a aridez do lugar, a vegetação caatigueira, o solo ruim e o temido sol do verão sertanejo. Como pode uma platinha tão bela e delicada sobreviver em condições tão adversas? Lembrei-me do Senhor Jesus, quando Ele disse: "Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham, nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles." (Mt 6:28-29).

Jesus não tomou como exemplo uma flor plantada por um jardineiro, que carece de cuidado humano, de técnica para o seu desenvolvimento. Não! Jesus usou como parâmetro o lírio do campo. Uma flor igualzinha a que eu encontrei ali naquele sertão. E quantas conclusões vieram a minha mente naquele instante?!
  • Aquela flor havia nascido, crescido e vivia ali por obra e graça do Senhor. Não havia interferência humana naquele processo.
     
  • Foi Ele quem escolheu o lugar para plantá-la.
     
  • Ele é quem generosamente tem cuidado dela, irrigando-a e nutrindo-a.

No texto de Mateus, lido anteriormente, de maneira sábia, o Senhor pede que tomemos como exemplo um lírio do campo e assim o faz porque Ele quer que entendamos que:

  • Existimos por obra e graça d'Ele. Não há outro jardineiro por trás deste fato. Ele nos viu sementinha no ventre de nossa mãe, estabeleceu toda nossa vida e nós não podemos mudar um côvado deste curso.
  • Da mesma forma, nosso habitat foi escolhido por Deus. Ele foi quem nos plantou onde estamos. E assim o fez com um propósito definido. Ele quer que embelezemos os campos e que exalemos o seu bom perfume, mesmo se esse lugar for rude como a caatinga sertaneja.
     
  • Desde o dia do nosso nascimento até o fim da nossa existência é a sua mão que tem cuidado e que cuidará de nós. Somos regados por sua mão. Somos nutridos por seu favor. Viveremos assim até chegar o dia em que perderemos o vigor, a beleza e nosso corpo irá, inexoravelmente, ao chão. Pois dele viemos e para ele tornaremos.

Há, porém, uma grande diferença entre nós e os lírios dos campos, pois estes quando morrem têm sua história encerrada. No máximo, com a decomposição de sua matéria servirão de adubo para outra geração de lírios ou outras espécies de plantas. Diferentemente, no final da nossa existência, teremos a possibilidade de sermos transplantados da caatinga para um lindo jardim. Sermos definitivamente como árvores plantadas junto ao ribeiro, cujas folhas nunca secarão.

Jesus pode fazer isto! Podemos vivenciar esta promessa. Basta somente Nele confiar e entregar as nossas vidas em suas mãos, para que ele cuide de nós até o dia da colheita, quando então Ele mesmo virá e separará o joio do trigo, a erva daninha dos líros. E nos plantará definitivamente num jardim de beleza ímpar. Onde não haverá escassez nem chuva excessiva, nem calor nem frio, nem qualquer outra intempérie. Ele mesmo foi preparar este lugar para nós e garantiu que voltará para a grande colheita.

Maranata!

Marcos Sal da Terra


Leia mais: Reflexões


 



Um comentário:

  1. Olá amados
    Por favor pode me informar como posso apoiar o ministério de vocês???
    Pode escrever para sebastaoesandra@hotmail.com
    Muito obrigada Sandra

    ResponderExcluir